Avançar para o conteúdo principal

SINtra

Mais um passo na minha conversão às novelas gráficas.


SINtra foi uma aquisição não planeada, por parte do meu companheiro, no Contacto, em Abril. Comprou-o por ser da zona de Sintra, tendo inclusive trabalhado em Sintra; na mesma tarde, conhecemos os autores, o Tiago e a Inês, e prometi-lhes uma review do livro. Na Feira do Livro de Lisboa, reencontrámo-los e eles lembravam-se da promessa ainda não cumprida. 

Mas Bárbara Ferreira cumpre todas as suas promessas, mais ou menos tarde, e aqui estamos.

SINtra aproveita-se da atmosfera mística da zona, que será familiar para quem a conhece; o nevoeiro, o aspecto fantástico da região, as muitas árvores e lendas. A floresta magnífica envolta em neblina e o respeito que inspira. Nunca/ainda não li O Mistério da Estrada de Sintra, mas se há zona misteriosa é sem dúvida essa. Em particular, os autores inspiraram-se numa casa abandonada, o Casal das Três Marias, nas Azenhas do Mar. Esta casa, que eu desconhecia (nunca tinha ido às Azenhas do Mar), pertenceu a António Augusto de Carvalho Monteiro, o mesmo senhor que mandou construir a Quinta da Regaleira, conhecida pelos seus muitos aspectos místicos.

Estou com enorme vontade de voltar à Quinta da Regaleira só de escrever isto.

 

Adiante, se parece lógico escrever uma história de terror passada em Sintra, a verdade é que a localização precisa para este livro está muito bem escolhida. Pesquisei sobre o Casal das Três Marias após ler o livro (especialmente porque fiquei estupidamente intrigada com o raio do cubo - para o qual não achei explicação), e o consenso é que a casa está não só devoluta, mas assombrada; as lendas em torno da assombração divergem um pouco, mas coincidem nas três filhas, as Três Marias, que aparecem neste livro, Joana Maria, Ana Maria e Maria Teresa, e na sua mãe.

Temos, portanto, um casal, o Daniel e a Alice, que decidem ir acampar no meio do mato em Sintra. Alice é a mais decidida e destemida dos dois. Alice vai, segundo Daniel, a conduzir demasiado rápido; e quando surge alguém no meio da estrada, a tentativa de não a atropelar causa um acidente.

Isto parece um bocado aquelas lendas urbanas do acidente e da pessoa na curva da estrada, etc, há uns anos havia um vídeo parvo sobre um fantasma em Sintra que se baseava nisso e tudo; no entanto, o rumo que a história toma é tudo menos previsível. Alice é projectada do carro, para longe, não se sabe bem como, e Daniel acorda num carro desfeito, sozinho.

 

Ou não - porque o vulto na estrada, Maria Teresa, uma menina de uns dez anos, está lá à sua espera. Teresa tem desde logo um discurso estranho - vê um acidente acontecer, e não tenta fazer nada (está muito calma, aliás, quando Daniel acorda); diz-lhe também que viu a Alice ir numa determinada direcção, e que Alice lhe pedira que ficasse com o Daniel. Daniel vai com ela.

Isto é suficiente para levantar algumas suspeitas - embora não se saiba exactamente do quê -, que aumentam quando ambos chegam à casa de Maria Teresa, uma mansão enorme no meio do nada. Maria Teresa quer que ele veja o seu quarto - mas as suas irmãs insistem que ele se vá embora. Mesmo após aparecer Elvira, a mãe das três, Ana oferece-se para levar Daniel para longe da casa.

Elvira tem aquele aspecto sedutor atribuído a bruxas ou a noivas do Drácula; cabelos longos, decote pronunciado, vestido justo. Dá para sentir de imediato que algo não está bem naquela casa - se não pelo nervosismo das filhas, ou a calma e estranheza de Maria Teresa, pelo aspecto da mãe (foto acima).

Entretanto, Alice encontra um velho, que lhe conta a estranha história trágica que o afastou da sua família - trabalhava muito, passava longos tempos longe de casa, e um dia descobriu que a sua mulher se dedicara à magia negra, conseguindo impedi-lo de ver as filhas ou aproximar-se de casa - o Casal das Três Marias, claro está. Imediatamente bizarro é o facto de o tempo ter passado por este homem, Fausto (o nome!), mas não pela sua família.

O enredo fica mais complexo, a tensão aumenta - entre elementos naturais, humanos ou animais, entra o fantasmagórico e o monstruoso, e é muito difícil saber em quem acreditar. Haverá como fugir?

5/5

Podem comprar esta edição aqui.

Comentários

  1. Como assim, 5 de 5?
    Assim de caras? :O
    Já falaste disto à Gaspar? Tem a cara dela. xD
    Não sei se a nível gráfico me enche a medida...em termos de narrativa e de arte. Uhm....mas fiquei curiosa. =P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim de caras :p conheço bem Sintra e achei uma muito boa história!
      Tenho de lhe contar, ainda por cima ela já viveu para aqueles lados :p

      Eliminar
  2. Mais um passo, muahahaha.
    Um shout out para o Tiago e a Inês, para além de ter gostado do trabalho deles foram cinco estrelas connosco, das duas vezes.
    Sintra tem realmente essa mística toda à sua volta e foi bem explorada aqui e bem apreciada do meu lado enquanto leitor. Uma boa noite de leitura que foi.
    Ainda não leste O Mistério da Estrada de Sintra mas irás não preocupa! Havemos de voltar à Quinta da Regaleira também, como não.
    O Casal das Três Marias, nas Azenhas do Mar, temos de lá ir à noite. Aquelas noites de nevoeiro sabes?
    Anyway o nome Fausto sim!
    Gostei muito do livro, não foi previsível, uma boa descoberta, tanto o livro como os autores como o local em que inspirou a obra. Boas fotos e mais um post assustadoramente bom. Assustadoramente get it? Desculpa.
    Kudos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o cubo sim! Mas também não entrámos na propriedade para ver melhor!

      Eliminar
    2. Porquê o evil laugh? :o

      É verdade, foram bem fixes :p

      Irei ler sim e temos de voltar sim, quando quiseres, como sabes :p

      À noiteeee? :ooo :$

      Tenho medo de entrar :$

      Eliminar
    3. Gosto como te estás a virar para uma coisa que eu gosto :p
      À noite claro! Não tenhas, estou sempre ao teu lado Ba

      Eliminar
  3. Muito obrigado pela review! Ficamos muito contentes por terem apreciado este nosso "filho" e aproveito para dizer que gostámos bastante de vos conhecer também, foram muito simpáticos. :) E sim, quanto ao que dizes eu continuo a pensar no que será o raio do cubo. Um dia destes ainda dou por mim a escrever nas paredes a tentar encontrar a solução estilo Jim Carrey no The Number 23 até achar uma solução Lovecraftiana vinda das profundezas da praia das maçãs que me faz render à loucura! Se quiserem combinar uma expedição ao Casal das Três Marias quando vier um tempo mais fresquinho alinhamos de certeza!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário e por toda a simpatia, Tiago! A review demorou, é certo, mas fico feliz por terem gostado :)
      Mas o cubo existe? Inventaram? Continuo muito intrigada mesmo!
      Não sei se tenho coragem para tal expedição mas agradeço o convite :D nem que seja para descobrir o cubo! Beijinhos a ambos!

      Eliminar

Enviar um comentário