Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Descender, vol. 5 - Ascensão das Máquinas

Na recta final.

A história arranca precisamente no momento em que ficáramos no quarto volume, com acção a ritmo estável e o sentimento de fim a aproximar-se (as histórias começam a convergir). Tim-21 começa a ter mais iniciativa, e o seu papel está delineado de forma interessante.
Aos poucos, os personagens que vimos a acompanhar começam a chegar ao misterioso planeta oceânico Mata (menos o Broca - continuo a adorar o Broca) para o confronto final. Todo este volume serve, de certa forma, de transição para aquele que será o grande evento final, com grande build-up e, como já estamos habituados, termina num impasse.

Tal como na obra de Karel Capek, que viria a inspirar inúmeras histórias, temos aqui o confronto do homem com o robot. É a revolta dos robots, planeada há muito; há grandes momentos neste volume, numa escala interplanetária, mas continuamos a ver o lado pessoal do conflito através dos dois TIMs.
É difícil saber que lado estará certo. Continuamos sem saber de onde vêm os Col…
Mensagens recentes

2020 | Junho

Junho foi um mês marcado pelo sétimo aniversário deste estaminé, bem como pelo reconhecer que as leituras não vão lá muito bem.



Comprados & Recebidos
Um único livro deu entrada cá em casa, e já no final do mês; aliás, para poucas leituras, não se justificam muitas compras, certo? O eleito foi Poesia Grega: De Hesíodo a Teócrito, edição bilingue belíssima em capa dura, com tradução de Frederico Lourenço, acabado de reeditar pela Quetzal. Quem por cá tiver andado em 2013 (ou quem quiser ir aos arquivos) saberá que já tive toda uma fase de ler gregos; aqui, o ímpeto foi retomado com a leitura de Circe.

(fiz uma encomenda à Presença que ainda não chegou)


Lidos

Sei que isto vai soar terrível e ofensivo para quem por norma lê menos do que eu, tendo em conta que eu me queixei de andar pouco motivada para a leitura, logo, a ler pouco - verdade seja dita, e muito graças a arte sequencial, consegui encaixar algumas leituras neste mês. A leitura para o #lerosclássicos foi We, de Yevgeny Zamya…

Circe

Peguei neste livro no seguimento das minhas dificuldades em ler.

O livro chegou à minha estante há quase um ano, através de uma caixa do Books That Matter, mas eu já ouvia maravilhas várias sobre o mesmo à data. Tinha curiosidade com o conceito, porque mitologia grega é algo que me desperta bastante interesse. Não foi à toa que utilizei horas várias da minha vida a jogar Zeus (que, já agora, vou procurar reinstalar no computador, apesar de já estar a tentar, em vão, usar algum tempo livre para estudar italiano).
Já li alguns dos clássicos gregos, embora muito poucos; dos latinos, a minha vergonha é maior, mas há lacunas várias que quero colmatar. Há uns anos, como poderão procurar aqui no blog, tive uma fase em que li algumas das peças e obras cruciais do cânone grego, mas faltam-me os épicos de Homero (fora os excertos d'A Odisseia que dei em português no 7º ano, em conjunto com a versão de João de Barros que não me entusiasmou), que quererei ler.
Aqui, temos a história uma das …

Harrow County, 7: As Trevas Aproximam-se

A gémea má está de volta!

Quando terminei este livro, adjectivei-o imediatamente de "intenso". Aparentemente, é o adjectivo que ando a dar a demasiadas das minhas leituras e episódios televisivos visionados cá por casa, mas juro que é intenso!

As trevas estão de facto a aproximar-se - bem como a família de Emmy, que espreita na sombra. Kammi regressa ao mundo dos vivos (despedimo-nos dela demasiado cedo, não foi?) e traz o seu próprio exército, mas Emmy tem aliados novos, incluindo Bernice, que aprendera alguns truques úteis com Lovey. Chegamos a um clímax em que cada personagem e as suas motivações fazem com que os eventos façam sentido.

As motivações de Emmy continuam a ser as correctas, embora a possam levar por caminhos errados; quão longe pode ela ir e continuar a ser considerada boa? Para Bernice, Emmy pode ter chegado a um ponto de não retorno, mas eu não estou, ainda, assim tão convencida; Cullen Bunn acaba por demonstrar, de modo eficaz, como a linha a atravessar p…

Uma Abelha na Chuva

Peguei neste pequeno livro para ver se retomava algum ritmo de leitura.


É uma belíssima obra, mas não funcionou (ainda).

Esta obra curta, de 1953, que retrata um Portugal rural pequenino, situando-se a acção na aldeia de Montouro. A narrativa abre com a demonstração do desencanto que Álvaro Silvestre tem com a pequenez da sua vida, com o casamento com uma mulher que o despreza, com o irmão que vai voltar de África numa altura muito pouco oportuna.
Mais que isso: com os pecados que pretende confessar, a troco de uma eventual redenção.
O casamento de Álvaro com Maria dos Prazeres tinha sido convencionado, um casamento de interesse: ela, de origens fidalgas, de família falida, ele, pequeno proprietário rural e merceeiro. 
Títulos e dinheiro, ambos interessantes, e um casamento enquanto moeda de troca.
E quando ela fez dezoito anos, o pai fidalgo, que era Pessoa , Alva e Sancho (...) negociou o casamento da filha com os Silvestres, lavradores e comerciantes: sangue por dinheiro. (...) - Ass…

Jessica Jones, Vol. 3: O Regresso do Homem-Púrpura

Já preciso de mais Jessica Jones - comecei a ver a série na Netflix e tudo.

Este volume traz-nos a conclusão da segunda série de Jessica Jones por Brian Michael Bendis e Michael Gaydos. Como o título indica, assistimos ao regresso do Homem-Púrpura, Zebediah Killgrave, que arruinou a vida de Jessica Jones no passado, tendo-a feito desistir da sua breve carreira enquanto super-heroína. Este é o adeus de Bendis à personagem, e à Marvel, pelo que é adequado que haja este confronto final entre Jessica e o Homem-Púrpura.
Isto tinha de acontecer.
Jessica tenta proteger todos os que lhe são próximos, como Luke Cage, a filha de ambos, Dani, ou a sua melhor amiga Carol Danvers.
O confronto entre o Homem-Púrpura e Jessica é mais psicológico que físico, e funciona muito bem. As conversas entre ambos são longas e intensas, com diálogos perfeitos idealizados por Bendis. Apesar da "falta de acção", é extremamente satisfatório ver como Jessica procura cicatrizar as feridas que tem há tanto…