Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Paisagem sem Barcos + Os Armários Vazios + O Seu Amor por Etel

Mais um volume com o trabalho maravilhoso de Maria Judite de Carvalho.


Lembrar-se-ão que li Os Armários Vazios ainda este ano, numa outra edição; assim, aqui, saltei a mesma, dedicando-me apenas aos outros textos. Ao contrário deste, que é um romance (ou novella, se preferirem, dado o seu tamanho relativamente diminuto), os outros textos são, como a autora me tinha já habituado, conjuntos de contos.
Novamente, vou-me focar nos contos que dão título aos conjuntos; mais uma vez, são os mais longos, mas também (e talvez por esse motivo) os que mais se destacaram. O Seu Amor por Etel foi, na verdade, o meu favorito: a personagem principal é Vitorino, um homem profundamente apaixonado por uma mulher que crê estar além das suas possibilidades. Vive anos obcecado por ela - até que, enriquecendo, decide pedi-la, por telefone, em casamento.
E dá-se o profundo desencanto de quem finalmente tem aquilo que sempre quis, mas nunca julgou alcançável. De quem perdera anos a pensar num objectivo e, fi…
Mensagens recentes

Lady Macbeth de Mtsensk

Descobri este livro quando ganhei bilhetes para a ante-estreia do filme.


A personagem principal, que, de certo modo, dá o nome ao livro, é Katerina Lhvóvna Izmáilova:
(...) que desempenhou outrora um drama tão terrível que os nossos nobres, a exemplo de alguém de palavra fácil, passaram a chamá-la Lady Macbeth do Distrito de Mtsensk. (...) Tinham-na dado em casamento ao nosso mercador Izmáilov, de Tuskar, Gubérnia, de Kursk, não por amor ou qualquer atracção, mas simplesmente porque Izmáilov a pedira em casamento, e, sendo ela uma moça pobre, não podia escolher noivo.
Confesso que, por motivos que não me recordo, acabei por não ir à ante-estreia (e, até hoje, ainda não vi o filme...); porém, o livro ficou-me na ideia desde então.

O título é apelativo: a ideia de Lady Macbeth, o protótipo da vilã, a mulher que incita o seu marido a fazer o mal... e o facto de esta personagem ter inspirado um autor russo! Quando, por acaso, encontrei o livro na Biblioteca Municipal, e vi ser bastante pequ…

Correr

Odeio correr. Na verdade, não importa, porque a actividade me está clinicamente vedada.

Porquê ler um livro com este título, então?
Correr chamou-me a atenção, apesar de tudo, pelo título. Não costumo ler livros sobre desporto (apenas aconteceu uma vez, que eu tenha memória), mas o título, um simples verbo, intrigou-me.  Sou uma pessoa curiosa, suponho. Depois, vi que era sobre um atleta checo, e a República Checa é, à data, o país que mais gostei de visitar. Por último, percebi que se passava durante a Guerra Fria, "na sombra do regime comunista".
O subtítulo, muito pequeno, muito discreto, diz, no entanto, romance. Ora, é um livro romanceado sobre uma pessoa real, não exactamente uma biografia; diria que os factores distintivos aqui serão o facto de, durante grande parte do livro, o nome "Zatópek" não ser pronunciado (o narrador apenas se refere ao personagem principal como "Emil"), não ter fontes citadas e não se focar em grandes pormenores técnicos da…

O Anjo Literário

De onde vem a inspiração para escrever?

Este livro, de Eduardo Halfon, aborda essa questão, tentando compreender o que levou autores como Hesse, Hemingway ou Nabokov (entre outros) a escrever, ao mesmo tempo que tenta compreender o que o leva, a ele próprio, a seguir a escrita. Aqui, o mundo da ficção e a vida real entrelaçam-se, bem como a vida do próprio autor com as dos autores que tenta compreender.

Existe o momento da primeira inspiração literária. O primeiro golpe. Como escritor, suspeito de que todas as pessoas que decidem fazer uma incursão no mundo das letras, sem dúvida, sem dúvida alguma, têm um momento específico de génese literária. Situá-lo é diferente. Dito de outra forma: em que momento é que alguém se torna escritor?
Não sei até que ponto sou fã de livros sobre livros, ou sobre outros escritores; gostei muito de Possession, de AS Byatt, e A Rapariga que Roubava Livros é também uma leitura interessante; Livros, de Zoran Živković, foi interessante mas não diria que ines…

Frida Kahlo: Una biografía

Possivelmente o livro mais bonito que tenho na estante.


Tinha já ficado com este livro debaixo de olho em Sevilha, e decidi comprá-lo em Salamanca. Isto, confesso, não sabendo praticamente nada sobre Frida Kahlo, mas porque as ilustrações de María Hesse pareciam lindíssimas. Seria, talvez, a oportunidade perfeita para passar a conhecer Frida - claro que há vários livros sobre ela, mas, tal como com a Marquesa de Alorna, decidi ir pela versão ilustrada. Não me arrependi.
Sempre me interessara Frida Kahlo: tinha algumas noções básicas sobre a sua vida e sobre a sua arte, que também não conhecia particularmente. O livro é conciso, interessante e informativo (pelo menos para quem, como eu, não sabia muito sobre a artista). É narrado na primeira pessoa, ligando factos a excertos do seu diário, numa imagem intimista. De uma perspectiva pessoal, aprendemos sobre a sua família, o casamento dos seus pais, a sua infância, adolescência, a relação com Diego, a doença, a morte.

Frida aparece aqui …

2018 | Outubro

Confesso que tenho gosto em fazer estes posts de resumos mensais.

Recebidos
Tive várias boas surpresas este mês. Da Bertrand, recebi Mortina, de Barbara Cantini, um livro infantil super adequado ao Halloween. Da Livros do Brasil, veio A Náusea, de Jean-Paul Sartre, um livro que queria há anos ler e que estive para comprar no ano passado quando estive a viver em Paris. Da Leya, chegou cá a casa Índice Médio de Felicidade, de David Machado.
Da GFloy recebi várias e entusiasmantes prendas: The Fade Out, de Ed Brubaker e Sean Phillips, um policial noir que tinha debaixo de olho desde o seu lançamento nas bancas; Ms. Marvel, de G. Willow Wilson e Adrian Alphona, uma adolescente muçulmana que descobre ter super poderes; Afirma Pereira, uma adaptação do romance de Antonio Tabucchi que a-d-o-r-e-i, por Pierre-Henry Gomont; e o vol. 1 da série Descender, Estrelas de Lata, de Jeff Lemire e Dustin Nguyen.

Comprados
Portando-me um bocadinho mal, fui ao lançamento de Pão de Açúcar, de Afonso Reis C…