Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Pretty Guardian Sailor Moon #1

A minha estreia em mangá não poderia ser outra.

Sailor Moon foi o primeiro anime (e quiçá desenho animado, em geral) que eu adorei. Lembro-me de haver umas Barbies das personagens (que eu não tive - tive posteriormente das Spice Girls), vário merchandising absurdamente caro que nunca tive, e de eu ter tido um disfarce feito à mão entre mim e a minha irmã (sim, um cosplay incipiente, se quiserem). Vi em 1995 ou 1996, quando deu pela primeira vez em Portugal, revi tudo no Batatoon com 10, 11 anos, e revi ainda com cerca de 15 no Canal Panda. E estou a rever agora. Como já referi antes, adoro o RPG para Super Nintendo.
Preciso de explicar mais o quanto adorei esta prenda de Natal?
Muitos estarão familiarizados com o anime; no primeiro episódio, passamos muito do tempo a estabelecer a personagem principal, Usagi Tsukino (Bunny, em português). Usagi acorda consistentemente tarde, esquece-se do almoço, está atrasada para as aulas (como sempre), ralham com ela por comer enquanto está de cas…
Mensagens recentes

Princípio de Karenina

Possivelmente a minha última tentativa na obra de Afonso Cruz (sou capaz de dar umas chances às Enciclopédias, vá).

Meio por desafio da Rita, li, já em Novembro, a obra mais recente de Afonso Cruz. Estou a "dever-lhe" esta review há meses e aposto que entretanto ela até já se esqueceu.
Princípio de Karenina tem este título pois, aparentemente, o começo de Anna Karenina fala nas semelhanças (ou falta delas) das famílias infelizes, mencionado já em Ada, de Nabokov (dois livros que tenho na estante e que nunca li). É narrado por um homem, contando a sua vida à sua filha que, segundo nos revela, não fala a mesma língua que ele - mistério que se irá desvendar no final da obra.
Entre secções do livro, algumas imagens, a preto e branco, reminiscentes da capa.
O narrador, cujo nome não me recordo (é-nos sequer dado?) tem a sua vida e personalidade formadas por dois factores: um pé boto (qual Peter Carey - também aqui há uma mãe que acaricia a deformidade); e o medo que o seu pai lhe…

Farda Fardão Camisola de Dormir

Já tinha saudades de ler Jorge Amado.

Já saberão, decerto, que adoro Jorge Amado, que é um autor que há mais de 15 anos que não falha em me dar gozo ler. Comprei este livro na Feira do Livro de 2017, não imensamente planeado, mas com receio de que viesse a esgotar, como esgotou a edição da Dom Quixote d'Os Subterrâneos da Liberdade
Tive já o privilégio de ler alguns livros do autor; este foi o meu oitavo livro, se não estou em erro. E Jorge Amado não perde a magia.
Esta obra é mais política que algumas - se Tieta ou Gabrielasão fundamentalmente sociais, Capitães da Areia, ou Farda Fardão Camisola de Dormir têm uma índole mais política e moral. Mas político não significa aborrecido (ou vejam o meu amor por Afirma Pereira).
Anos 40. Com a morte súbita do poeta romântico Antônio Bruno, poeta da liberdade e do amor, membro da Academia Brasileira de Letras, surgem as eleições para nomear o seu sucessor. Reparemos desde já na data: anos 40, Segunda Guerra Mundial a deflagrar na Europ…

2019 | Janeiro

Começar o ano.

Recebidos & Comprados
Em troca de amigo secreto, a Alexandra deu-me Mulheres Viajantes, de Sónia Serrano - um livro que eu tinha descoberto no blog dela e cuja premissa me tinha fascinado. Obrigada de novo, Alexandra <3

Para acrescentar à lentamente crescente biblioteca da Tinta da China, O Chão dos Pardais, de Dulce Maria Cardoso, autora que quero muito ler.
Meses houve em que me portei melhor em termos de compras. Após a falência da Goody, comprei, em semi-desespero, As Melhores Histórias de Donald e Tio Patinhas, de Don Rosa. Valeu cada cêntimo, no entanto, e nesse sentido, não me arrependo.
Das promoções da Bertrand, ambos muito baratos: O Falecido Mattia Pascal, de Luigi Pirandello, e Uma Gata, um homem e duas mulheres, de Jun'ichirō Tanizaki. Ambos estavam na minha wishlist há anos, e o último será uma adição à minha crescente biblioteca de temática felina.

Lidos
Mês bastante produtivo em termos de leituras: terminei The Secret History, de Donna Tartt. O…

The Secret History

I suppose at one time in my life I might have had any number of stories, but now there is no other. This is the only story I will ever be able to tell.

Este livro é incrivelmente popular e há algum tempo que aguardava a sua vez na minha estante. Com uma leitura conjunta promovida pela Cátia, chegou a sua vez derradeira de ser lido. The Secret History é um livro sobre um mistério, um homicídio - logo nas primeiras páginas sabemos quem foi a vítima, e quem cometeu o crime, restando-nos saber o porquê.
Por que é que Bunny teve de morrer?
O narrador é Richard Papen. Richard é um rapaz de classe média baixa, com origens na Califórnia e que, após algumas reviravoltas na sua vida, dá por sim em Hampden, uma universidade privada em Vermont a estudar grego e os clássicos. Isto seria relativamente banal, não fosse o facto de o professor de grego da universidade, Julian, fazer das suas aulas e do curso um grupo elitista onde ninguém entra.
Os seis personagens principais são, portanto, todos estu…

The Fade Out

Adoro um bom noir, embora seja um género que leio e vejo pouco.

Li Farewell, My Lovely, e é o único Chandler que li. Gostei de Nathanael West. Recentemente, vi o Gilda. Adoro o Laura. Ainda assim, desde que vi a capa deste livro fiquei com uma enorme vontade de o ler. A capa é lindíssima, a estética dos anos 40, um crime em Hollywood... toda a ideia me apelou. Tenho um interesse um bocadinho mórbido acerca destes assuntos: não só Elizabeth Smart (a Black Dahlia), mas o desaparecimento de Jean Spangler, o homicídio de Georgette Bauerdorf, ou a teoria sobre a morte de Marylin Monroe ser parte de uma conspiração do governo.
Tendo em conta os muitos demónios do sistema de Hollywood que estão hoje a ser enfrentados e revelados, não choca que muitos problemas datem já do início da história do cinema; assim, Ed Brubaker e Sean Philips contam uma história fictícia, nos anos 40, que mostram o lado negro de Hollywood após a II Guerra Mundial.
Segredos de Hollywood envoltos num subtom escuro, m…