Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2020

fora da estante #10

O décimo episódio! Eu queria ter feito algo especial e relevante para o décimo episódio. Eu juro que sim. No entanto, fica aqui um breve monólogo em que resumo os episódios anteriores, caso estejam em atraso e/ou queiram saber o que vos pode realmente interessar. Novamente: disponível no  Spotify  na  Apple  e  noutras plataformas . O próximo será daqui a duas semanas.

Ler os Clássicos 2021

A sequela do #lerosclássicos, com algumas novidades. Novidade #1: aboli a fasquia do ano. Se, por um lado, colocar um limite em que o livro teria de ter 50 ou mais anos me fez sentido, por ajudar a filtrar aquilo que se manteve firme em meio século, a verdade é que há livros um pouco mais recentes mas super conceituados. É, além de arbitrário, limitativo. Terei de confiar no discernimento dos participantes. Novidade #2: algumas das categorias. Mas continuamos nos clássicos! Novidade #3: a hashtag mudou para #lerosclássicos2021, porque de repente surgiu (especialmente no instagram) muita utilização "externa" da anterior e assim é mais específico. Ora adiante! JANEIRO | Um clássico de humor (humor é subjectivo; fica ao critério do leitor). FEVEREIRO | Um clássico europeu. MARÇO | Um clássico feminista ou com tema de interesse feminista, questões de género ou LGBT. ABRIL | Um conto ou  novella (livro algures entre as 50-200 páginas; os parâmetros

Um Beijo Para Urso Pequeno

Há poucas ilustrações mais maravilhosas que as de Maurice Sendak. E foi com isso em mente que comecei este pequeno clássico de Else Holmelund Minarik. Um beijo para Urso Pequeno  é o último livro da série "Urso Pequeno" e, consta, o mais curto. A obra abre com o Urso Pequeno, o nosso herói epónimo, a fazer um desenho com um monstro reminiscente daqueles do Where the Wild Things Are , que logo pede à Galinha que leve à sua avó. Entregue o desenho, seguimos a viagem do beijo que a avó do Urso Pequeno lhe manda através da galinha, como agradecimento pelo desenho. Tendo a Galinha sido certa na entrega do desenho, não o foi na entrega do beijo, que o passou ao Sapo, que o passa ao Gato, dando início a uma corrente de animais demasiado preguiçosos ou quiçá distraídos para cumprirem eles mesmos a missão da qual foram incumbidos. No final, e no seguimento de um romance relâmpago incitado pela viagem do beijo, há um casamento. O humor é delicioso (" Que beijoqueiros vocês me saír

Os Meus Heróis Foram Sempre Drogados

Criminal  a demonstrar que nunca desilude. Ellie tem 21 anos e está num centro de rehab . Estando lá forçada e não acreditando na utilidade do rehab , não só não julga ter um problema, como glamouriza o uso das drogas e todos os seus heróis e referências são artistas famosos com problemas de drogas. Lá, conhece Skip, um rapaz jovem, que ela engana para se apaixonar por ela - ao início, parece ser apenas por diversão, mas acabamos por compreender que há outro motivo. O problema é que Ellie parece estar a apaixonar-se também por Skip, revelando-lhe partes do seu passado que nos ajudam a ligar esta história ao universo Criminal. Os dois fogem do centro, e quase poderíamos pensar que seriam felizes para sempre.   A revelação é lenta, mas, tal como nos números anteriores de Criminal, aquilo que pensamos que estamos a ver acaba por não se comprovar. Há sempre algo mais, e, como nos volumes anteriores, a verdade e o desfecho acabam por ser trágicos e devastadores. Ellie não é mesmo quem parec

Scoop

O tema de Novembro do #lerosclássicos era um livro sobre guerra . Dados os tempos conturbados, a minha reacção imediata foi pegar no Good Soldier Svejk , por ser sátira. Dadas as suas 750 páginas, troquei-o por Scoop , de Evelyn Waugh, igualmente satírico. Tenho uma amiga que fala frequentemente do problema de "começar a ler um autor pelo seu melhor livro". A verdade é que li Brideshead Revisited há vários anos (pré-blog), li entretanto o Decline and Fall , e nem esse, nem aqui o  Scoop , se igualaram à primeira experiência. E é interessante ver como a maioria dos primeiros trabalhos do autor caem na sátira e comédia, ao passo que Brideshead Revisited  é, apesar de vários momentos cómicos, um livro de índole mais séria. Scoop  é, como já disse, uma sátira, sobre jornalismo e a indústria da comunicação em geral, com base nas experiências e nas de contactos de Evelyn Waugh enquanto correspondentes de guerra aquando da invasão da Abissínia pela Itália (Waugh trabalhou para o Da

Abre a porta, Toupeirinha!

Uma absolutamente agradável surpresa. A toupeirinha está na cama, aconchegada e segura numa noite fria de inverno, com um livro no colo e a lareira ao lume, quando ouve bater à porta. De robe, pantufas e com uma vela na mão, vai abrir. Quem poderá ser numa noite assim? Vendo o seu amigo sapo, congelado na neve, convida-o de imediato a entrar. Ao sapo, seguem-se várias outras criaturas que, na casa da toupeirinha, procuram abrigo do frio e da tempestade. Estão a divertir-se imenso em grupo até que o lobo, sempre à espreita, bate à porta; mas nada que um pequeno trabalho de equipa não resolva. Trabalho de equipa e uma reconfortante sopa de cebola - à qual até o lobo tem direito! Porque também ele merece conforto e abrigo numa noite daquelas. Os detalhes são maravilhosos: as canecas da parede a serem entregues, uma a uma, aos convidados... as cores do interior em contraste com o azul escuro do exterior frio e com a neve denotam o conforto da casa da toupeirinha, os adereços dos vários ani

fora da estante #9

  O nono episódio! Podem comprar aqui os livros mencionados: The Earthsea Quartet, Ursula K Leguin | disponível em  português  | disponível em  inglês The Lottery and Other Stories, Shirley Jackson | disponível em  português  | disponível em  inglês Shirley Jackson: A Rather Haunted Life, Ruth Franklin | disponível em  inglês Monster, She Wrote, Lisa Kroeger e Melanie Anderson | disponível em  inglês Pássaros na Boca, Samanta Schweblin | disponível em  português A Mulher Que Tentou Matar o Bebé da Vizinha, Liudmila Petruchévskaia | disponível em  português Novamente: disponível no  Spotify  na  Apple  e  noutras plataformas . O próximo será daqui a duas semanas.

Descender, Vol 6: A Guerra das Máquinas

O fim de Descender - mas não o fim desta história. O último volume da space opera  traz-nos um fim a esta história, ao mesmo tempo que abre novas possibilidades dentro do mesmo universo. São seis volumes cheios de surpresas e reviravoltas que não arrastam demais. É, mais uma vez, difícil falar da narrativa sem entrar pelo campo dos spoilers , mas irei, novamente, tentar.   Neste último volume, temos explicações surpreendentes sobre quem são as Máquinas, as suas origens - e mesmo a origem dos humanos. Quem terá criado quem? Assim, percebemos por que motivos as Máquinas atacaram todos, e chegamos ao confronto final entre os humanos e as Máquinas - os Descenders, que ocorre mais por palavras do que por acção. Também compreendemos o papel de Tim-21 nos eventos, e a sua importância - e a sua relação com Tesla tem um momento muito emotivo. O final tem proporções épicas, mas é triste. A arte de aguarelas de Dustin Nguyen está especialmente fabulosa neste volume. As cores estão maravilhosas. É

2020 | Outubro

 Mais um mês estranhíssimo e desesperante. Comprados & Recebidos Das belezas que chegaram à estante, têm uma amostra na foto. Que está torta... Vários livros em inglês, em wishlist há que tempos, o Astrágalo (idem), um livro do Bernardo Carvalho, ambos os últimos já mencionados no resumo de Setembro , o  Correria dos pássaros presos  foi oferta da autora, Ana Gil Campos. Começo a ficar enjoada e triste com o número de livros por ler que tenho na estante e a apatia cada vez mais instalada nos últimos meses. Lidos Terminei, logo no dia 1, Finalmente o Verão , das primas Tamaki , do qual gostei muito (como esperava). É de uma enorme sensibilidade, e recomendo. Li também Sinfonia dos Animais , o livro infantil de Dan Brown que é toda uma experiência - mais que uma leitura. Para o meu desafio dos clássicos, li Lady Audley's Secret , de Mary Elizabeth Braddon , embora pensasse inicialmente que a escolha iria recair sobre The Woman in White , de Wilkie Collins (também romance gótico