Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2019

Manual de Prestidigitação

Prestidigitação é uma palavra incrível.


Tinha curiosidade há muito tempo para conhecer o trabalho do autor; esta obra, em particular, estava na minha mira desde que vi a palavra "prestidigitação" no título de uma música, nos tempos em que eu não sabia que o B Fachada era a pessoa que parava no meio do corredor no edifício de inglês/geografia da faculdade (esta música, mais de dez anos volvidos, parece-me horrível; na altura, o álbum esteve em alguma rodagem por estes lados...).
Este volume é, na verdade, constituído de vários grupos de poemas, e não só aquele que lhe dá o título, sendo possível acompanhar várias das fases da poesia de Cesariny. Talvez por isso, houve momentos dos quais gostei mais do que de outros - infelizmente, logo o primeiro, Burlescas Teóricas e Sentimentais, não me apelou particularmente, na sua linguagem codificada e desmontagem de imaginário popular.
Outros poemas, posteriores, como os de Alguns Mitos Maiores Alguns Mitos Menores Propostos à Circulaç…

2019 | Maio

Maio foi o mês em que decidi começar a aprender italiano (e, por isso, entre outros motivos, li um bocadinho menos).

Comprados & Recebidos
Ui!
Após uns problemas com os CTT, recebi a colecção Batman: 80 Anos, da Levoir. Destaco o profissionalismo com que agiram nesta situação menos agradável.
Recebi, da Porto Editora, O Primeiro Homem, adaptação a novela gráfica da obra de Albert Camus por Jacques Ferrandez (o mesmo autor da adaptação, que tenho em francês, d'O Estrangeiro). Do meu amor, em prenda só-porque-sim, as Sonata de Otoño / Sonata de Invierno do Valle-Inclán (referência aqui). Da Bertrand, a reedição de Terras do Demo, de Aquilino Ribeiro.
Para me preparar para dar as boas vindas a um certo gato na minha vida, adquiri The Brothers Karamazov, de Dostoevsky, na tradução Pevear & Volokhonsky. Para um clube de leitura incrível, Sabrina, de Nick Drnaso.

Decidi experimentar a subscription box Books That Matter, com a qual veio The Water Cure, de Sophie Mackintosh. É uma…

Le Storie: Sangue e Gelo

Mais um fumetti da Bonelli.

Pelo que compreendo, este quinto volume da Colecção Bonelli da Levoir difere um pouco dos restantes por pertencer a uma série sem personagens fixos, Le Storie. Se os volumes que li anteriormente dependiam de personagens fixos em cenários diferentes (Dylan Dog, Dampyr), aqui os livros podem ser lidos isoladamente, sem qualquer tipo de sequência.
Le Storie explora também diversos géneros, sem ter uma temática fixa: fantasia, terror, história, westerns... Ou seja, é uma série que dá liberdade aos seus vários autores (também eles não fixos) para relatos independentes e complexos. Estou rendida à ideia de novelas gráficas independentes de séries (ou volumes omnibus, como aquele que li de The Fade Out) pois, tal como na ficção normal, gosto de completar uma história.
Sangue e Gelo é da autoria do argumentista Tito Faraci (muito ligado à Disney) e ilustrado por Pasquale Frisenda. Aqui, encontramos o que resta do exército napoleónico do início do séc. XIX, no Inver…

The Midnight Kittens

A suposta terceira parte da saga The Hundred and One Dalmatians.

Podem verificar aqui que adorei o primeiro livro, e gostei um pouco menos do segundo, que teve, ainda assim, valor de entretenimento. Tendo-me apercebido que haveria um terceiro (embora com gatos no título...?), entrou rapidamente na minha wishlist.
Vou desde já colocar aqui que é complicado compreender por que motivo é vendido como a terceira parte dos dálmatas, quando estes não figuram, de todo, no livro. É, ainda assim, um livro infantil sobre gatos, e teria muito para dar certo.
Os gémeos, órfãos, Tom e Pam, de talvez dez anos, andam num colégio interno, e vão passar férias com a sua avó, no campo. A avó conta-lhes que, à noite, aparecem uns ouriços a quem ela tem deixado pão e leite, para se alimentarem, mas que os mesmos são tímidos, e recomenda-lhes que os espreitem da janela. Enquanto os irmãos aguardam, soa a meia-noite e, do nada, aparecem quatro pequenos gatinhos, que bebem o leite e desaparecem.
Começa o mis…

Historias de adormecer para raparigas rebeldes 2

O segundo livro desta colecção de sucesso.

Depois de ter lido o primeiro volume, no final do verão do ano passado, tinha ficado com muita curiosidade para ler este. A sua entrada na rede de Bibliotecas Municipais de Lisboa foi o único "empurrão" necessário para proceder à sua leitura.
Já agora, a Biblioteca de Belém é um espectáculo, e recomendo muito a visita. Telefonaram a dizer que a minha reserva chegou e, nas traseiras, alojam o Corações com Coroa Café.

Este volume, tal como o anterior, apresenta a história de 100 mulheres que se terão, de algum modo, destacado, mulheres de vários pontos do mundo (mas volta a sentir-se o peso do mundo ocidental, infelizmente) e de vários momentos históricos, bem como mulheres contemporâneas. Cada breve história (curta, sem permitir que se perca a atenção) tem uma ilustração, repetindo o formato de sucesso do volume anterior. A arte é um ponto muito positivo do livro, com ilustrações coloridas e apelativas.

Destaco o facto de a portugue…

Nós Matámos o Cão-Tinhoso

Um clássico da literatura moçambicana.


Tinha este livro à minha espera na estante há cerca de dois anos, numa compra motivada por Os da minha rua, de Ondjaki. Há, na obra de Ondjaki, todo um capítulo emocional sobre a leitura da obra de Luís Bernardo Honwana.

O Cão-Tinhoso é, muito simplesmente, um cão tinhoso. Um cão velho, doente, moribundo. Só Isaura, uma menina, gosta dele - faz-lhe festas, alimenta-o. E, por isso, Isaura é considerada louca.

Mas o narrador da história é Ginho, um rapaz que é gozado por todos os colegas, na escola, nos jogos de futebol. Ginho sente alguma empatia pelo cão, embora não consiga perceber porquê.

O Cão-Tinhoso tinha uns olhos azuis que não tinham brilho nenhum, mas eram enormes e estavam sempre cheios de lágrimas, que lhe escorriam pelo focinho. Metiam medo, aqueles olhos, assim tão grandes, a olhar como uma pessoa a pedir qualquer coisa sem querer dizer.

E um dia o Dr. Duarte, veterinário, pressiona e convence os rapazes a abater o Cão-Tinhoso a tiro. …

Descender vol 2. Lua Máquina + vol. 3 Singularidades

Review conjunta - li os livros seguidos, tal o entusiasmo.

Tendo adorado o vol. 1, Estrelas de Lata (para o qual tinha enormes expectativas, dadas as recomendações de muitíssima confiança, nomeadamente o facto de a maior influencer da minha aldeia adorar Jeff Lemire), foi com grande alegria que vi estes dois volumes darem entrada na minha estante. E, vendo-me com tempo, li os dois, de enfiada.
Se o primeiro volume faz um magnífico trabalho a introduzir as personagens e a narrativa, o segundo volume (cuja arte é belíssima) traz desenvolvimentos empolgantes, que começam a dar mais forma e sentido à história.
Também desenvolvida é a empatia do leitor com TIM-21 - que já não é o único restante da sua "espécie". Conhecemos TIM-22, que, apesar das enormes semelhanças físicas, difere muito de TIM-21 em carácter - o seu ambiente "familiar" fora muito diferente, fazendo dele um robot com motivações e inclinações díspares.
Após a revelação do Dr. Quon sobre ter apenas copiad…

Elizabeth and Her German Garden

Possivelmente um dos livros mais específicos que já li: uma mulher e o seu jardim.


Como o título deixará adivinhar, o livro é sobre uma mulher e o seu jardim. Um pouco mais a fundo: é um livro semi-autobiográfico, escrito por Elizabeth von Arnim (autora de The Enchanted April, também na estante), nascida na Austrália em 1866, sobre a sua vida e o seu jardim na região de Nassenheide, na Pomerânia, onde ficava a casa do seu marido.

A ideia é que a casa do marido ficaria num local bastante remoto e retirado da Alemanha, algo que, para uma mulher naquela altura, seria deprimente e reclusivo (recordemos que, em 1898, a vida de uma mulher da nobreza seria, basicamente, a sociedade). No entanto, Elizabeth encontra consolo, alegria e um enorme passatempo entre os seus livros e o planeamento do seu enorme jardim. Este livro é escrito como uma espécie de diário, no qual são descritos episódios e anedotas familiares.

Entre o marido, que é denominado "The Man of Wrath" (ou também "…