Avançar para o conteúdo principal

Dez razões para aspirar a ser gato

Comprei este livro maioritariamente pelo título.


Não é mentira - podem confirmar aqui. Maioritariamente, porque foi também a opinião da senhora por trás da banca do Espaço Llansol, dizendo ser um livro maravilhoso, que me convenceu a comprá-lo mesmo.

Valério Romão é um nome que, não me sendo totalmente desconhecido, não me era particularmente familiar. Parti, assim, sem qualquer tipo de preconceito ou ideia pré-formada para a leitura de Dez razões para aspirar a ser gato.

O conteúdo do livro segue, de certa maneira, o prometido no título: são dez contos que nos relatam situações que levam a que dez pessoas diferentes a aspirar ser gatos, também elas por motivos díspares. Sou absolutamente contra conteúdo de blogs que consista em sinopses, mas fica aqui a retirada do site da Mariposa Azual, porque é sublime e sucinta:

"Neste livro é melhor ser gato que ser pobre (Razão 1); melhor do que ser gato-sapato num emprego abaixo de cão (Razão 2); antes gato que rato de biblioteca num curso para o desemprego (Razão 3); porque os gatos podem ter todos os defeitos, mas não são ga-a-a-a-gos (Razão 4); antes gato do que viver preso aos fios de uma existência entrevada (Razão 5); porque os gatos não pedem nem fazem juras de amor eterno (Razão 6); porque os gatos não têm problemas de visão (Razão 7); só quando se é ainda muito criança é que não se percebe a vantagem de ser gato – “eu não quero ser gato, não quero, não quero! “(Razão 8); porque ninguém leva a mal que um gato tenha uma vida assim-assim (Razão 9) “porque os gatos não são felizes, são melhores”, como se diz na Razão 10."

Mas ser gato não é exactamente um desejo central em cada um dos contos - o que acontece é que a personagem de cada um deles chega a um ponto no qual preferiria ser um gato do que ser quem é. É o estado em que as personagens se encontram, ou ao qual chegam, que faz com que o desejo se manifeste, como escape que é, no fundo, inviável.

Destacaram-se, para mim, alguns contos: o 6 (A razão a três), o 7 (A razão oftalmológica), o 8 (A razão infantil). Se o 8 se destaca por, como podemos retirar da sinopse acima, se centrar numa criança que, confrontada com a encenação de Alice no País das Maravilhas, na escola, não quer ser gato - até perceber que se calhar também ele tem motivos para o querer -, e o 7 é identificável para quem tem mais de 9 dioptrias em cada olho, o 6 é simplesmente triste e sublime.

[(...)isto não é amor não é carinho não sei o que é
só a gata sabe o que não lhe digo, a gata de batina preta em poses de confessora da paróquia, que jurou por Hipócrates Jesus e os Santos que nunca diria nada a ninguém.]
E eu entro em casa todos os dias
[e eu entro em casa todos os dias]
e digo baixinho à gata
[e digo baixinho à gata]
eu amo-te
[eu amo-te]
para não ter que lho repetir a ela
[para não ter que lho repetir a ele].


5/5 recomendo a todos os que não percebem por que é que ser gato é ser melhor.

Podem comprar esta edição directamente à editora, aqui.

Comentários

  1. Deve ser mesmo interessante! É que bela vida tem os gatos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É magnífico! Tantas razões diferentes para invejar um gato :)

      Eliminar
  2. Confesso que foi o post e não o título que me despertou interesse pelo livro, adorei a sinopse ;-) anotado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos, é muito curto, mas muito bom. Foi uma compra impulsiva, mas que valeu a pena.

      Eliminar
  3. 'recomendo a todos os que não percebem por que é que ser gato é ser melhor.' és tão fofinha :p

    Gostei muito do post e estou ansioso por ler o livro, não tenho desculpas que está mesmo aqui ao meu lado!

    '(...)foi também a opinião da senhora por trás da banca do Espaço Llansol, dizendo ser um livro maravilhoso, que me convenceu a comprá-lo mesmo.' lembro-me bem, fazem falta pessoas assim, com gosto pelo que fazem atrás dos livros que vendem, são um complemento a todo o universo literário

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um livro muito curtinho ainda por cima, não te vais arrepender e vais perceber a superioridade dos gatinhos :p

      É verdade, foi a segunda vez que tive a oportunidade de debater os livros com a pessoa que os estava a vender (a primeira foi na Festa do Livro de Belém, no ano passado) e a experiência é sem dúvida diferente! Com gosto e conhecimento daquilo que vendem, sobretudo!

      Eliminar
  4. Odeio gatos, mas adoro o título! Não conhecia e parece ser um livro super interessante.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de gatos, mas confesso que nunca tive um. O título é maravilhoso e o conteúdo não fica atrás :) recomendo muito! Beijinhos!

      Eliminar

Enviar um comentário