Avançar para o conteúdo principal

Reborn - Renascidos

Haverá vida depois da morte?


Bonnie Black é uma septuagenária que vive num lar de idosos. Tem um historial de AVCs e, apesar da sua longa e preenchida vida, tem medo de morrer. Bonnie é uma professora reformada e é óptima pessoa. O seu pai e o seu marido morreram inesperadamente (o pai, num acidente, o marido, há 14 anos, assassinado por um sniper). A sua filha e a sua neta adoram-na e não estão prontas para a perder.

Mas Bonnie tem mais um AVC, e morre.

O que acontece é que Bonnie descobre que a morte não é um fim, mas um novo começo. Desperta em Adystria, a terra para onde vão as pessoas boas quando morrem, num corpo de 25 anos. Aqui, reencontra-se com o seu pai e com o cão da sua infância, Roy-Boy, e descobre que há uma profecia que a tem como a imperatriz de Adystria, aquela que iria vencer todo o mal. É claro que ela está confusa.

 

A ideia de Millar, aqui, é que quando se morre, não se vai para o inferno ou para o céu, mas para um mundo de fantasia em que um lado está repleto de boas pessoas, enquanto o outro só tem quem foi mau em vida. Os lados existenciais desta questão não são particularmente abordados, bem como tópicos como moralidade e amizade, apenas levemente abordados. O que interessa é que há uma guerra eterna do bem contra o mal, e Bonnie é a única esperança do lado dos bons.

Ou seja, há uma trope de "Chosen One" - e eu, enquanto pessoa que passou largos anos da sua juventude a jogar RPGs clássicos, gosto. Porque, no fundo, a ideia aqui é que, depois da morte, se renasce como se num videojogo, numa terra de fantasia, onde as pessoas (e animais de estimação!) têm super poderes, ou são demónios ou monstros (caso tenham sido maus em vida). Não me incomoda que Bonnie tenha regressado como louraça sensual, porque eu adoro a premissa de haver uma profecia segundo a qual os seus poderes mágicos ainda incipientes vão salvar o mundo.

Para quem está a estranhar este discurso vindo de mim: não, eu não sou fã de fantasia na literatura. Mas aqui está tão bem feito - especialmente devido à arte de Greg Capullo. A arte é maravilhosa. Não há detalhe que escape, ajudando a um mundo extremamente bem construído (o que, em fantasia, é muito importante). A caracterização e expressividade das personagens está perfeita. No mundo real, as cores são secas - no mundo em que se renasce, as cores são vibrantes. E as cenas de acção estão perfeitas (ou não fosse Greg Capullo conhecido pelo seu trabalho com Batman).

 

E, pronto, Bonnie parte à aventura acompanhada pelo pai e pelo cão, para lutar contra o mal - com um desvio pelo caminho para descobrir o paradeiro do marido de Bonnie, a sua grande prioridade após anos de separação.

O final junta as várias peças da narrativa, e consegue, ao mesmo tempo, concluir a obra e deixar espaço para uma sequela. Na verdade, algumas perguntas ficam por responder: qual será o futuro de Bonnie? Alguma vez encontrará todas as pessoas que perdeu em vida? E, dado que naquele mundo, também se pode morrer - para onde vão depois?

Gostei muito do conceito deste mundo, repleto de pequenos detalhes. Acaba por ser uma história mais contida do que aquilo que antecipava, pelas primeiras páginas, não desenvolvendo muito os personagens nem criando muitos mais para além da realidade doméstica de Bonnie em vida. Estavam todos, de algum modo, interligados. Mesmo a ideia de bem vs mal poderia ter sido mais desenvolvida: no mundo dos maus, não parecia haver áreas cinzentas.

Posso terminar dizendo que adorei o cão?

4/5

Podem comprar esta edição na wook ou na Bertrand

Comentários

  1. Haverá vida depois da morte? Essa é uma das 'eternas' perguntas
    Nunca ouvi falar desta novela gráfica mas gosto da capa
    Todas as pessoas boas que morrem despertam depois em Adystria com 25 anos?
    O que é ser uma pessoa boa? Todos nós temos um lado mau, todos nós já fizemos asneiras, magoámos alguém etc..
    A página que colocaste como exemplo em que estão a matar a Bonnie é assustadora
    'E, dado que naquele mundo, também se pode morrer - para onde vão depois?' Exacto, essa é sempre a questão também que se põe, imaginemos que existe mesmo vida depois da morte? E se eu não quiser viver lá como é? Ando eternamente entre mundos? É a mesma coisa com 'Deus', quem o criou? Ou para sermos mais exactos, o que havia antes do Big Bang? Como tudo começou? O que havia antes do antes do antes do antes etc.
    Podes, mas não há cadela como a Castanha :p
    Estou curioso com o livro, no entanto, havendo tanta coisa que não foi desenvolvida espero que haja mais um livro pelo menos, não gosto de livros que têm boas ideias mas depois não as desenvolvem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esta é uma resposta :p
      A capa está awesome, tenho muita curiosidade com a restante obra de Mark Millar, nomeadamente "Kickass", sobre o qual já li muito bem :p
      Não, despertam com idades aleatórias :o de facto, não fui explícita quanto a isso; a Bonnie renasceu com 25, num fato de super heroína :p e pois, não sei onde está a separação do bem e do mal :$
      A arte é magnífica! E nem coloquei aqui imagens da "afterlife", que têm cores ainda melhores!
      Altas questões filosóficas, andas a ler muita Bíblia em Acção :$
      Castanha :D
      Pois, também fico a pensar se haverá sequela :p entretanto, irá sair um filme! Na Netflix!

      Eliminar

Publicar um comentário